Girlene Lima Portela | LinkedIn Acompanhe no Twitter Curta no Facebook Visualize no Flickr Assista no YouTube
 Artigos
1 2 3 4 5 6 7 Próxima >>

Noções de referenciação textual em haicais

18/06/2018 - Ádria Simone Maria Oliveira, Daniela Cordeiro Conceição Pereira, Jaci Oliveira Santos

Noções de referenciação textual em haicais[1]  

Lagoa antiga –

Salta o sapo

Ruído d’água

(Matsuo Bashô)

   

O haicai exprime um momento presente (salta – forma verbal do verbo saltar no presente do indicativo), baseado na observação da natureza e fala sobre coisas concretas: lagoa, sapo, água. Assemelha-se à fotografia ao registrar as impressões do autor sobre determinado ambiente, ser ou coisa. O primeiro verso apresenta contextualmente a realidade física por meio de expressões referenciais de introdução. No haicai em estudo, a lagoa é o ambiente observado, captado pela visão, modificado pelo adjetivo antigo que remete o leitor à contemplação da natureza em seu estado de inércia. Nas lagoas, a água encontra-se em inércia a ponto de formar um “filme” sobre o qual pequenos animais podem caminhar sem afundar ou se molhar. A expressão “lagoa antiga” mobiliza e ativa conhecimentos de mundo do leitor, sem exigir dele qualquer interpretação precisa.

O segundo verso faz o texto progredir com a adesão a um kigo de primavera, o sapo, que movimenta-se no espaço em contraste com a inércia da lagoa. O “sapo” é um elemento de correferencialidade, pois não é sinônimo de “lagoa”, mas com ela mantém uma relação espacial – lagoa é morada para sapos; sapos são moradores de lagoas.

O terceiro verso promove a continuidade entre os dois primeiros, o salto do sapo atinge a água que compõe a lagoa e rompe com a inércia em que ambos se encontravam momentos antes. Desse encontro resulta o ruído que leva o leitor a viver as sensações ao invés de refletir. Então, visualizamos a lagoa e o sapo e ouvimos o barulho provocado pelo contato do sapo com a água: visão, tato e audição.

 

Referências

CAVALCANTE, Mônica Magalhães. Os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2013.

FRANCIS, Gill. Rotulação do discurso: Um aspecto da coesão lexical de grupos nominais. In.: CAVALCANTE, Mônica Magalhães; RODRIGUES, Bernadete Biasi (Orgs.) Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003. p.191-228

PORTELA, Jean Cristtus. Semiótica do haicai. In.: MOMESSO, Maria Regina, et al. (Orgs). Coleção Mestrado em Linguística. Discurso e linguagens: objetos de análise e perspectivas teóricas. v.6. Franca: Editora Unifran, 2011.p.163-190. Disponível em: https://www.unifran.edu.br/wp-content/themes/switchblade-v1.3/pdf/ColecaoMestradoEmLinguistica_006.pdf. Acesso em 30.05.2018.

 

 


[1] Atividade realizada na disciplina Texto e Ensino, do Mestrado Profissional em Letras, sob a orientação da Profa Dra Girlene Portela

Deixe seu comentário
Visual CAPTCHA
 
 

LINGUAGENS

  • Uma escola para a vida (by Muriel Spark)

    Apresenta uma concepção de relações afetivas, baseada em sentimentos ...

    CONTINUE LENDO
  • O Clube do Filme (David Gilmour)

    Um crítico de cinema utiliza dos seus conhecimentos sobre o tema para, através de f...

    CONTINUE LENDO
Interaja Conosco
 
Morar Sozinho...

Juventude, Aprendizagens, Descobertas, Concepção de Mundo

Vídeo criado por minha filha, Laís, sobre as aprendizagens do jovem urbano ...

Álbuns
® Girlene Portela - 2018. Todos os direitos reservados. Bahia - Brasil Desenvolvido por Otavio Nascimento