Girlene Lima Portela | LinkedIn Acompanhe no Twitter Curta no Facebook Visualize no Flickr Assista no YouTube
 Artigos
1 2 3 4 5 6 7 Próxima >>

Resenha do artigo "Ler para compreender; escrever para interagir..." de autoria de Girlene Portela

23/09/2016 - Maria Clara Sena

PORTELA, Girlene Lima. Ler para compreender; escrever para interagir: o papel dos processos e das estratégias de escrita no ensino-aprendizagem de redação. Feira de Santana, julho de 2016. Disponível em: http:/revistadiadorim.letras.ufrj.br/index.php/revistadiadorim/article/view/114. Acesso em 30/07/2016.[1]

 

Girlene Lima Portela é Phd em Educação e Mestre em Linguística; Professora Titular de Língua Portuguesa e Metodologia da Pesquisa da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS); vice-coordenadora do Programa de Mestrado em licenciatura e Diversidade Cultural (PPGLDC/UEFS).

O artigo intitulado Ler para compreender; escrever para interagir: o papel dos processos e das estratégias de escrita no ensino-aprendizagem de redação, que se encontra no blog da autora e professora Girlene Lima Portela, examina com maestria e precisão, ainda que de forma sucinta, nesse texto, o processo de ensino-aprendizagem de redação com relação ao sistema educativo brasileiro. Portela, em seu texto, deixa claro como o conhecimento de teorias (psicologia cognitiva, a didática da escrita e a linguística textual) podem ajudar o professor a desempenhar melhor seu fazer pedagógico, contribuindo, assim, para um melhor desempenho do aluno, no momento da escrita.

Portela divide o artigo em oito tópicos, sendo o primeiro a introdução e o último as considerações finais. Destes, o segundo (Processos e subprocessos de escrita) e o quinto (Conhecimento e desenvolvimento de estratégias de escrita) se subdividem, em subtópicos, para que haja uma melhor compreensão do leitor com relação ao aproveitamento das ações de leitura e escrita, que por sua vez devem ser bem orientadas pelo professor.

A autora, no primeiro tópico, coloca em evidência o tempo das aulas de Redação, nas instituições de ensino brasileiras, como empecilho para um texto bem elaborado. Destaca também ações e fatos (desafios) que devem ser experimentados e transpostos pelo professor e aluno, no sentido de dar significado a uma produção de texto, que se mostre convergente, por exemplo, com os estudos americanos e canadenses, uma vez que, esses estudos, indicam um tempo maior de aula como meio de garantir qualidade superior aos textos. 

Partindo do contexto explicitado acima, em que se encontra inserido o ensino da referida disciplina (Redação), é importante destacar que, durante todo o texto, sobretudo nos tópicos: dois, três, quatro, cinco e seis; Portela assumiu, enquanto professora e pesquisadora, uma postura responsável e comprometida, na feitura do artigo, com relação a deixar claros os papéis dos agentes (professor e aluno) na realização da escritura de um texto. No momento em que ela (segundo tópico) apresenta, de forma bastante didática, a função e a necessidade de o professor orientar o discente nas etapas (Ler para compreender, Pré-escrita, Rascunhar para planejar e Revisar para auto-avaliar) e nos objetivos que esse deve ter, durante a realização de tal atividade (a escrita de texto), compartilha conosco (docentes) atitudes que visam a um ensino em que: escrever com qualidade é o objetivo.

Nos tópicos três, quatro e cinco, destes, no primeiro, a autora evidencia a contribuição ativa, por parte do aluno, para que o TEXTO se torne um “produto pronto”.  Estratégias como: a motivação, a planificação, a antecipação, a tempestade de ideias (Brainstorm), a modelação, a consolidação e o feedback – devem ser utilizadas por ele, já que são responsáveis pelo avanço/mudança por que passa o processo de ensino-aprendizagem, se mostrando, esses procedimentos, ao mesmo tempo, importantes aliados para um texto bem elaborado.

Seguindo a linha de raciocínio acima e tendo consciência do seu papel, o aluno, segundo Portela, deve promover as mudanças com o auxílio do professor, pois esse tem a responsabilidade de proporcionar uma variedade de gêneros textuais, criando as condições adequadas para que aquele seja capaz de identificar suas dificuldades e potencialidades. Ao utilizar esse método, o aluno adquirirá segurança e maturidade necessárias para lidar com as questões de produção de texto que são, na maioria das vezes, muito complexas.

No último tópico dessa tríade, e, não menos importante, destaca-se o “Conhecimento e desenvolvimento de estratégias de escrita”, em subtópicos (“Objetivos das estratégias”, “Análise e registro dos processos” e “Publicação das produções (feedback)”) momento em que, a autora, discorre acerca da importância de o aluno responder a algumas questões, que antecedem o momento da escrita, com o intuito de formatar uma base sólida para que, sozinho, seja capaz de escrever um bom texto, organizando-o, julgando-o e visualizando, ao mesmo tempo, seus progressos. Depois de todo esse esforço, é necessário, segundo Portela, dá significado às produções publicando-as.

No sexto e sétimo tópicos, respectivamente: “Escrever textos variados: algumas sugestões” e “A escrita de um texto: resolução de problema”, Portela direciona a discussão para o profissional professor, explicitando suas angústias, no sexto tópico, no tocante ao reducionismo dos tipos textuais, ou seja, segundo ela, o ensino apresenta, de forma estanque, os gêneros e esses pouco, ou quase nunca, dialogam com outros, tendo ainda outro problema a ser vencido por nós professores: a linguagem dos clássicos que, na maioria das vezes, são usados como modelos em nossas salas.

No penúltimo tópico, o sétimo, uma analogia com a resolução de um problema matemático foi feita, uma vez que ao resolver o problema e produzir o texto a mente do aluno funciona de maneira semelhante. Considerando a teoria da psicologia cognitiva e seu teórico, Poissant, um problema se estrutura em três partes (arrumação, indução e transformação), cabendo ao aluno, para resolvê-lo, compreender a proposta, organizar, de forma lógica, as possíveis análises a serem postas no texto, revendo e reescrevendo as ideias postas, a fim de conferindo-lhe progressão, coerência na busca de resolver o problema.

No oitavo e último ponto “Considerações finais”, Portela faz uma breve retomada sobre o conteúdo tratado no texto, reforçando, mais uma vez, o papel do aluno e do professor durante o processo, de escrita de texto, enquanto agentes de transformação e mudança do ensino-aprendizagem de redação.

Este artigo, em especial, se faz necessário a qualquer estudioso por conter informações de situações, reais, vividas pela autora Girlene Portela comprometida com a pesquisa cientifica e disposta a compartilhar os passos necessários à realização de um ensino de produção de texto que de fato seja frutífero para aluno e professor. No entanto, vale ressaltar que com relação à crítica feita ao tempo de aula, no Brasil, no primeiro tópico, não houve, por parte da autora, uma sugestão, na prática, para a resolução do problema, haja vista ser esse hoje, a situação que mais compromete o ensino e o resultado do trabalho docente. Mas esse fato não comprometeu o desenvolvimento nem as informações no resto do texto.

Com linguagem clara e acessível à autora Girlene Portela, por meio de alternativas, teóricas e práticas, em alguns momentos, que foram alvo de preocupação e discussão durante o texto, abordou questões que precisam de bastante conhecimento do estudioso, a fim de tornar a prática da escrita eficaz em sala de aula.

Vale ressaltar que um estudo como este reforça o grau de intimidade entre a pesquisadora e as ciências, permitindo a esta, e a nós leitores, um diálogo entre as diversas áreas o que contribui para a realização do trabalho dela e do nosso.

 

 


[1] Resenhado por Maria Clara Sena, estudante do curso de Especialização em Linguística e Ensino Aprendizagem da Universidade Estadual de Feira de Santana.

Deixe seu comentário
Visual CAPTCHA
 
 

LINGUAGENS

  • Uma escola para a vida (by Muriel Spark)

    Apresenta uma concepção de relações afetivas, baseada em sentimentos ...

    CONTINUE LENDO
  • When Nietzcshe wept (by Irvin D. Yalon)

    Expressa, através de relações entre seres imperfeitos, mas com carreiras con...

    CONTINUE LENDO
Interaja Conosco
 
Homenagem dos Estudantes de Matemática

Homenagem, Matemática, UEFS, Girlene Portela

Um momento emocionante, que faz com que acreditemos que, apesar de tudo, AINDA vale muito a pena ser professor!

Álbuns
® Girlene Portela - 2019. Todos os direitos reservados. Bahia - Brasil Desenvolvido por Otavio Nascimento