Girlene Lima Portela | LinkedIn Acompanhe no Twitter Curta no Facebook Visualize no Flickr Assista no YouTube
 Artigos
<< Anterior 1 2 3 4 5 6 7 Próxima >>

Noções de referenciação textual em haicais

18/06/2018 - Ádria Simone Maria Oliveira, Daniela Cordeiro Conceição Pereira, Jaci Oliveira Santos

Noções de referenciação textual em haicais[1]  

Lagoa antiga –

Salta o sapo

Ruído d’água

(Matsuo Bashô)

   

O haicai exprime um momento presente (salta – forma verbal do verbo saltar no presente do indicativo), baseado na observação da natureza e fala sobre coisas concretas: lagoa, sapo, água. Assemelha-se à fotografia ao registrar as impressões do autor sobre determinado ambiente, ser ou coisa. O primeiro verso apresenta contextualmente a realidade física por meio de expressões referenciais de introdução. No haicai em estudo, a lagoa é o ambiente observado, captado pela visão, modificado pelo adjetivo antigo que remete o leitor à contemplação da natureza em seu estado de inércia. Nas lagoas, a água encontra-se em inércia a ponto de formar um “filme” sobre o qual pequenos animais podem caminhar sem afundar ou se molhar. A expressão “lagoa antiga” mobiliza e ativa conhecimentos de mundo do leitor, sem exigir dele qualquer interpretação precisa.

O segundo verso faz o texto progredir com a adesão a um kigo de primavera, o sapo, que movimenta-se no espaço em contraste com a inércia da lagoa. O “sapo” é um elemento de correferencialidade, pois não é sinônimo de “lagoa”, mas com ela mantém uma relação espacial – lagoa é morada para sapos; sapos são moradores de lagoas.

O terceiro verso promove a continuidade entre os dois primeiros, o salto do sapo atinge a água que compõe a lagoa e rompe com a inércia em que ambos se encontravam momentos antes. Desse encontro resulta o ruído que leva o leitor a viver as sensações ao invés de refletir. Então, visualizamos a lagoa e o sapo e ouvimos o barulho provocado pelo contato do sapo com a água: visão, tato e audição.

 

Referências

CAVALCANTE, Mônica Magalhães. Os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2013.

FRANCIS, Gill. Rotulação do discurso: Um aspecto da coesão lexical de grupos nominais. In.: CAVALCANTE, Mônica Magalhães; RODRIGUES, Bernadete Biasi (Orgs.) Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003. p.191-228

PORTELA, Jean Cristtus. Semiótica do haicai. In.: MOMESSO, Maria Regina, et al. (Orgs). Coleção Mestrado em Linguística. Discurso e linguagens: objetos de análise e perspectivas teóricas. v.6. Franca: Editora Unifran, 2011.p.163-190. Disponível em: https://www.unifran.edu.br/wp-content/themes/switchblade-v1.3/pdf/ColecaoMestradoEmLinguistica_006.pdf. Acesso em 30.05.2018.

 

 


[1] Atividade realizada na disciplina Texto e Ensino, do Mestrado Profissional em Letras, sob a orientação da Profa Dra Girlene Portela

Deixe seu comentário
Visual CAPTCHA
 
 

LINGUAGENS

  • Concerto para Paixão e desatino: Romance de uma revolução brasileira

    Concerto para Paixão e desatino: Romance de uma revolução brasileira (Moacir...

    CONTINUE LENDO
  • Lições de francês

    Relata a história paralela de três professores de francês e seus três al...

    CONTINUE LENDO
Interaja Conosco
 
A criação da roda sob a ótica de estudantes de matemática

Invenção da roda, matemática, Letras, Laboratório de pesquisa

Trabalho realizado por um grupo de estudantes de matemática, na disciplina Laboratório de pesquisa e produção de textos, sob minha orientação, a qual tem rendidoexcelentes trabalhos de intersecção entre a matemática e a linguística.

Álbuns
® Girlene Portela - 2018. Todos os direitos reservados. Bahia - Brasil Desenvolvido por Otavio Nascimento